terça-feira, 23 de outubro de 2012

Afetividade no DIR


                                                        
O conceito chave por trás do modelo que eu defendo é afetividade... eu quero mostrar pra vocês como tudo flui através de relacionamento e afetividade. Primeiro, vamos pensar a respeito no desenvolvimento do sistema nervoso central: o cérebro e a mente. Quando um bebê nasce, ele nasce com algumas poucas capacidades que o trazem ao mundo. Eles podem olhar, ouvir, usar seus sentidos, eles têm algumas preliminares capacidades de perceber padrões, como olhar para o rosto da mãe ou do pai depois de um pequeno espaço de tempo, discriminar alguns tons de voz, diferentes sabores, entre outras sensações, mas são muito preliminares. A maior parte do cérebro e da mente desenvolve-se após o nascimento. Isso faz sentido em termos evolucionais porque permite que o cérebro e a mente humana se adaptem ao ambiente. Por essa razão, os bebês humanos são tão indefesos e é por isso que as espécies mais desenvolvidas têm desenvolvimentos pós-natais. A maioria das espécies vêm pré-ligadas. Portanto, muitos dos nossos primos animais vêm ligados com alguns padrões básicos. E eles parecem mais competentes ao nascer, mas eles são menos adaptáveis. Aqueles que vêm mais indefesos, e que precisam de mais tempo de cuidados dos pais, desenvolvem mentes maiores, cérebros mais flexíveis e são mais adaptados a padrões. Portanto, a maior parte do nosso funcionamento é em resposta ao ambiente.
Muitos filósofos e neurocientistas perguntam-se: como a consciência se desenvolve? Como desenvolvemos essa consciência de que você existe enquanto ser humano? Como nos tornamos conscientes; como dizemos:
- Eu sou uma pessoa zangada; eu sou uma pessoa feliz, etc.
Para fazer julgamentos, você tem que ter consciência em primeiro lugar. Eu estava lendo um artigo de jornal onde neurocientistas estavam discutindo acerca da consciência; eles não conseguem achar uma área do cérebro que produz consciência; não conseguem achar áreas combinadas que juntas formam consciência. Portanto, brotam conceitos como: a consciência é uma propriedade do cérebro, mas ninguém sabe o que isso significa e alguns colegas dizem:
- Nós nunca poderemos responder a essa pergunta, é um problema insolúvel. O problema da consciência humana.
Eis aqui o segredo. E vocês o disseram alguns minutos atrás. A consciência não é uma propriedade do cérebro. É uma propriedade do relacionamento e da afetividade que o relacionamento produz. A consciência emerge de relações sociais e da afetividade produzida nesses relacionamentos. Portanto, os bebês têm essas capacidades fisiológicas básicas: eles podem tocar, cheirar, ouvir e ver. Mas, como esses padrões básicos possibilitam o surgimento da consciência e se tornam experiências afetivamente vivas que, por sua vez, se tornam o comandante dessa consciência e do posterior desenvolvimento? Bem, quando mamãe responde ao olhar do bebê com diferentes texturas de voz, o bebê começa a transformar esse levante em algo prazeroso ou aversão. Se ela reclama com ele, é aversão; se a voz é doce e meiga, é prazeroso. Essas interações de texturas diferentes criam mais variações na afetividade. A voz, o movimento, todos os aspectos das habilidades do bebê. Estas interações criam processos fisiológicos transformados através de relacionamentos em afetividade, que é o primeiro sentimento de “estar vivo”. Então, à medida que avançamos nos níveis funcionais emocionais e você se engaja mais completamente com aquele grande sorriso, você está experimentando um amplo gradiente afetivo. Então, quando você começa a interagir com a afetividade, no nosso estágio 3, para comunicação intencional recíproca, abrindo e fechando círculos, então você começa a experimentar o “eu”, os primeiros sinais tendo um impacto no “você”. E consciência se torna uma noção mais definida e mais diferenciada e, à medida que subimos a escada para o ponto que chamamos de resolução de problemas compartilhada, você começa a juntar as muitas interações afetivas recíprocas em um fluxo continuo e é por isso que, no programa, sempre tentamos manter as crianças em fluxo contínuo de trocas afetivas, porque isso é o fundamento de tudo o que vem depois. Sem isso, você não pode ter linguagem, você não pode fazer parte do mundo. E você não pode estar consciente sem uma interação contínua com o mundo. Se você faz isso de forma descontínua, 5 círculos e depois se fecha, você ficará intocável. Você precisa ter esse contínuo fluxo de interações com o mundo. Isso cria resolução de problemas e reconhecimento de padrões, então você está apto a ampliar essa pequena noção de self.  Então, aos 18 meses, você tem uma noção de self muito antes de poder falar. Um senso de self pré-verbal.
Nós descobrimos que com crianças com desordens do espectro autista, este senso de self pré-verbal, através do fluxo contínuo de interações afetivas, é crítico para o desenvolvimento de consciência que o senso de self precisará para ir até níveis mais altos de pensamento. E, dependendo de quão eficientemente mantemos este fluxo, determina se a linguagem se tornará funcional e criativa ou rote memory e repetitiva e prediz, assim pensamos, se a criança irá alcançar o ponto de apresentar empatia, humor e, eventualmente, se tornar um pensador, ao invés de um memorizador. Então, vamos ao estágio 5, onde a criança começa a usar ideias porque esse fluxo contínuo de afetividade permite que a criança separe percepção de ação e use imagens como entidades isoladas; essas imagens são investidas de afetividade e experiências, desenvolvem significados e nós temos símbolos verdadeiros. Uma vez que tenhamos símbolos verdadeiros através de brincadeiras de fingimento e através de diálogo verbal, a criança aprende a conectar símbolos e a responder as perguntas  “Qu” e “porquês”: porque você está feliz, triste, porque você quer sair e, então, o relacionamento está dando certo.  Estes são os nosso 6 estágios fundamentais das nossas capacidades funcionais emocionais. Tudo começando com relacionamento e afetividade. Tudo levando a níveis mais altos de consciência. Agora, nós temos pensamento multi causal, o que chamamos de pensamento de “área cinzenta” e, finalmente, pensamento reflexivo quando podemos dizer coisas como:
- Eu estou mais zangado do que deveria.  Eu concordo com Mark Twain e não com Tolstoi porque Mark Twain é mais similar a mim em sua educação, etc.
Portanto, estes são os 9 níveis de nossas capacidades funcionais emocionais. Todos começaram com afetividade. Agora, em identificação mais cedo... em intervenção preventiva, nós temos que fazer essa afetividade funcionar. O que pensamos que acontece com crianças com autismo e todo o gradiente de desordens do espectro é que, biologicamente, por uma variedade de razões, algumas genéticas, algumas provavelmente pré-natais, etc., a conexão entre afetividade e planejamento motor, bem como as outras experiências sensoriais, não é totalmente desenvolvida, não vem facilmente, não responde à experiência facilmente como em outras crianças. Portanto, há uma falha no sistema. Mas não está totalmente bloqueado. A via principal parece bloqueada, mas vias laterais ainda parecem abertas. Portanto, ao conseguir grandes níveis de afetividade prazerosos no início da vida, nós podemos desenvolver essas vias laterais. Em algumas crianças, talvez, até abrir as vias principais. É isso que temos descoberto com muitas das crianças. Parte disso tem a ver com padrões neurológicos diferentes. Algumas crianças tiveram mais sucesso do que outras. Mas nós sempre descobrimos novas formas de ter mais sucesso com mais crianças.

Dr. Greenspan / 1998